sábado, 7 de maio de 2016

Interpretação de crônica para 6º ano | Tema: leitura/menino de rua

Onde já se viu? 


Uma tarde de inverno, estava eu lá, na Rua Barão de Itapetininga, mexendo nas estantes de uma livraria. (Não consigo passar por uma sem entrar para fuçar no meio dos livros. Desde que eu tinha quatro anos de idade - o que já faz muito tempo - livro para mim é a coisa mais gostosa do mundo. A gente nunca sabe que surpresa vai encontrar entre duas capas. Pode ser coisa de boniteza, ou de tristeza, ou de poesia, ou de risada, ou de susto, sei lá. Um livro é sempre uma aventura, vale a pena tentar!) 
Pois bem, estava eu ali, muito entretida, examinando os livros, quando de repente senti que alguém me puxava pela manga. Olhei para baixo e vi um menino - um garotinho de uns nove ou dez anos, magrelo, sujinho, de roupa esfarrapada e pé no chão. Uma dessas crianças que andam largadas pelas ruas da cidade, pedindo esmola. Ou, no melhor dos casos, vendendo colchetes ou dropes, essas coisas. Eu já ia abrindo a bolsa para livrar-me logo dele, quando o garoto disse: 
- Escuta, dona ... (naquele tempo, ninguém chamava a gente de tia: tia era só a irmã do pai ou da mãe). 
- O quê? - perguntei. - O que você quer? 

- Eu ... dona, me compra um livro? - disse ele baixinho, meio com medo. 
Dizer que fiquei surpresa é pouco. O jeito do menino era de quem precisava de comida, de roupa, isso sim. Duvidei do que ouvira: 
- Você não prefere algum dinheiro? - perguntei. 
- Não, dona - disse o garoto, mais animado, olhando-me agora bem nos olhos. - Eu queria um livro.  Me compra um livro? 
Meu coração começou a bater mais forte. 
- Escolha o livro que você quiser - falei. 
As pessoas na livraria começaram a observar a cena, incrédulas e curiosas. O menino já estava junto 
à prateleira, procurando, examinando ora um livro, ora outro, todo excitado. Um vendedor se aproxi- 
mou, meio desconfiado, com cara de querer intervir. 
- Deixe o menino escolher um livro - falei. - Eu pago. 
As pessoas em volta me olhavam admiradas. Onde já se viu alguém comprar um livro para um molequinho maltrapilho daqueles? 
Pois vou lhes contar: foi exatamente o que se viu naquela tarde, naquela livraria. O menino acabou se decidindo por um livro de aventuras, nem me lembro qual. Mas me lembro bem da minha emoção quando lhe entreguei o volume e vi seus olhinhos brilhando ao me dizer um apressado obrigado, dona! antes de sair em disparada, abraçando o livro apertado ao peito. 
Quanto aos meus próprios olhos, estes se embaçaram estranham ente, quando pensei comigo: 
"Tanta criança rica não sabe o que perde, não lendo, e este menino pobre - que certamente não era um pobre menino - sabe o valor que tem essa maravilha que se chama livro!" 
Isso aconteceu há vários anos. Bem que eu gostaria de saber o que foi feito daquele menino ... 

Tatiana Belinky. Onde já se viu? In: __ o Olhos de ver. 
3. ed. São Paulo: Moderna, 2004. p. 19-21. (Veredas)

1. Releia a seguinte fala da narradora da crônica.

"Tanta criança rica não sabe o que perde, não lendo, e este menino pobre - que certamente não era um pobre menino - sabe o valor que tem essa maravilha que se chama livro!" 

Com esse comentário, a narradora faz uma crítica em relação ao hábito de leitura entre crianças de diferentes realidades sociais. Explique como se dá essa crítica. 

2. Em um trecho da crônica, é dito que o menino pediu o livro meio com medo. Analise a situação e explique o porquê de ele ter tido essa reação. 

3. Você concorda com a afirmação de que "Um livro é sempre uma aventura"? Justifique.

4. Para você, por que as pessoas da livraria ficaram admiradas ao observar a cena do menino escolhendo um livro? 

5. A crônica é um gênero textual curto e com poucos personagens, inspirado em uma situação ou fato do cotidiano, real ou imaginário. 

a) Qual fato ou situação foi o ponto de partida da crônica de Tatiana Belinky? 
b) Em sua opinião, a narradora realmente vivenciou o fato (ou situação) ou ela o criou? 
c) Quando e onde o fato aconteceu? 


Gabarito:

1. A crítica refere-se ao fato de que há crianças que têm condições sociais e financeiras de comprar e nem por isso se interessam pela leitura. 

2. Possível resposta: porque, por se tratar de uma criança pobre, possivelmente ele deve ter pensado que estaria sendo ousado em pedir algo para alguém que não conhecia ou que talvez a estivesse incomodando. 

3. Pessoal

4. Porque elas não esperavam ver atitudes como aquelas: um menino pobre pedindo um livro e a narradora comprando-o para ele. 

5.
a) A presença de um menino de rua em uma livraria pedindo um livro.
b) O fato (ou situação) é real, pois é passível de acontecer, e ocorreu com a narradora.
c) Em uma tarde inverno, cujo ano não foi especificado, em uma livraria na rua Barão de Itapetininga, na cidade de São Paulo. 




Referência: Vontade de Saber Português
Imagem: Google
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...