Atividade de interpretação de relato pessoal (6ºano) Férias na Antártica


Férias na Antártica 
Laura, Tamara e Marininha Klink 

Nascemos numa família que gosta de viajar de barco, e muito. Crescemos enquanto nosso pai construía um novo veleiro, o Paratii 2. Pessoas que nunca tinham visto um barco antes também participaram da sua construção, que aconteceu devagar, longe do mar e com muito esforço. Quando ficou pronto, tornou-se famoso pelas viagens que fez e por ser um dos barcos mais modernos do mundo. Nossa mãe sabia que o barco era seguro e que poderia levar toda a nossa família. Então pediu para irmos todos juntos numa próxima vez e nosso pai concordou! Ficamos felizes porque, finalmente, não ficaríamos na areia da praia dando tchau. 

Partimos para uma longa viagem e deixamos nossos avós com saudades. Viajamos para um lugar que muitas pessoas nem imaginam como é. Para chegarmos lá, balançamos para cima e para baixo, para um lado e para o outro, com movimentos nem um pouco agradáveis, nada parecidos com os que experimentamos em terra firme. 
Fomos para um continente que não tem dono, bandeira ou hino, onde sentimos temperaturas abaixo de zero. Dizem que ali é tudo branco e só tem gelo, mas enquanto viajávamos fomos descobrindo muitas cores e diferentes tons de branco. 
Sempre nos perguntam: "O que vocês fazem lá?" "Tudo!" é a nossa resposta. É um lugar muito especial chamado Antártica. E por que é tão especial assim? 
[...] 
Quando deixamos a América do Sul rumo à Antártica, passamos pelo extremo sul do continente americano, o famoso cabo Horn. A partir dali, navegamos pelo estreito de Drake. Com muito mar pela frente, estamos sempre acompanhados por muitas aves marinhas, principalmente petréis e albatrozes. 
Conforme nos aproximamos da Antártica, a água vai esfriando, ficando mais densa e o alimento começa a ficar mais concentrado, atraindo um número maior de animais. É como se entrássemos num enorme carrossel de animais e icebergs que flutuam em volta do continente antártico. Esse cinturão azul que abraça o continente é chamado de Convergência Antártica.
Ali sabemos que estamos mais perto do nosso destino do que de casa, e temos a sensação de que a viagem dos nossos sonhos está acontecendo. 
Depois de cruzarmos o Drake - que é a parte chata porque todo mundo passa mal no barco -, nossa ansiedade aumenta ainda mais. Alguns sinais indicam que finalmente estamos chegando: não vemos mais albatrozes no céu, sentimos o vento gelado no rosto e não dá mais para ir do lado de fora sem luvas e gorros. Começamos a ver grupos de pinguins saltando para fora da água e focas se exibindo no mar. 
Quando nosso pai diz que já é possível encontrar um iceberg no caminho, a gente fica mais tempo do lado de fora do barco fazendo companhia para ele no frio. Achamos que ele gosta de sentir frio. Nós gostamos só um pouquinho e logo queremos voltar para o calor da cabine. Mas como esse é um momento especial, temos um combinado no barco: quem avistar o primeiro iceberg da viagem ganha um prêmio. Assim a gente sente coragem de ficar mais tempo no frio! 
[...] 
Quanto mais nos aproximamos da Antártica, maior é o número de icebergs. Eles vão surgindo, com formatos e tamanhos diferentes. O que varia bastante também são as cores. É, as cores! Dependendo da posição do sol, das condições climáticas do dia, do tamanho do iceberg, da largura da parede de gelo, da densidade e de outros elementos, um iceberg pode ser muito diferente do outro. 
Mesmo de longe, eles são muito diferentes. Não são apenas blocos de gelo. Cada um é único. São tons de branco, cinza, azul e verde muito diferentes dos que estamos acostumados a ver no Brasil. Leva um tempo pra gente se acostumar. A água vai batendo pouco a pouco no iceberg e o gelo vai se moldando, sendo esculpido em pontas, rampas, pequenas piscinas e cavernas. Formam-se até pontas de gelo que lembram estalactites, que a gente pode pegar com as mãos e brincar de "picolés de gelo"!
Muita gente conhece a frase "isso é apenas a ponta do iceberg", que usamos para dizer que tem muito mais do que parece em alguma coisa. Isso acontece porque a parte do iceberg que está acima do mar corresponde a apenas 30% do seu total; o resto está submerso. Esse fato também é conhecido, mas ver icebergs ao vivo nos leva a pensar em coisas que nem todo mundo pensa: quando um iceberg derrete, ele vai subindo ou capota e mostra a parte que estava debaixo d'água? [...] 

KLINK. Laura; KLINK, Tamara; KLINK, Marininha. Férias na Antártica. São Paulo: Grão, 2010. 

Drake (passagem ou estreito de Drake): porção de mar situada entre a América do Sul e a Antártica, conhecida pelas difíceis condições meteorológicas marítimas, 


Laura, Tamara e Marina Klink são filhas de pessoas ligadas ao mar: os velejadores Marina Bandeira e Amyr Klink. O pai delas, que também é comandante de embarcações e escritor, já publicou livros sobre suas viagens, como Cem dias entre o céu e o mar, lançado pela Companhia das Letras. 

Interpretação do texto 
 
1. Em um relato pessoal, quem escreve tem a intenção de registrar acontecimentos, seu ponto de vista ou suas impressões sobre os fatos mencionados. Responda: 

a) Qual foi o acontecimento registrado no relato que você leu? 
b) Quem participa do acontecimento? 

2. Logo no início do relato, as meninas afirmam: "[...] finalmente, não ficaríamos na areia da praia dando tchau". O que pode significar essa afirmação?

3. No segundo parágrafo do relato, as garotas afirmam: "Viajamos para um lugar que muitas pessoas nem imaginam como é". Na sequência, elas apresentam alguns dados gerais sobre a região, antes mesmo de contarem como foi chegar lá. Identifique esse trecho e copie três informações gerais sobre a Antártica fornecidas.

4. Em determinado trecho do relato, as irmãs procuram expressar as sensações da aproximação do barco ao continente. Identifique o trecho e indique os sinais escolhidos pelas narradoras do relato para mostrar que: 

a) estavam mais próximas do destino do que de casa; 
b) estavam finalmente chegando ao destino. Não havia mais albatrozes no céu. O vento era mais gelado, surgiam pinguins, focas e Icebergs. 

5. Iceberg é um termo inglês: ice significa 'gelo', berg, 'montanha'. Trata-se de uma grande massa de gelo flutuante desprendida de uma geleira. Embora essa descrição possa parecer suficiente, as meninas afirmam que os icebergs não são "apenas blocos de gelo" e dedicam alguns parágrafos inteiros a eles. 

a) Que particularidades dos icebergs chamaram a atenção delas? 
b) Por que você acha que elas deram tantos detalhes dessas massas de gelo flutuantes?  

6. Em seu relato, as irmãs Klink fazem referência aos lugares por onde passam, dando a localização precisa do espaço geográfico da realidade. Copie expressões do texto que se referem a esses locais. 

Linguagem do texto 

Por Férias na Antártica ser um relato pessoal, em muitos momentos é possível identificar nesse texto o uso de uma linguagem mais espontânea, mais informal. O fato de ser escrito por três jovens também contribui para isso.

Releia os trechos a seguir: 
[...] Assim a gente sente coragem de ficar mais tempo no frio! 
[...] Leva um tempo pra gente se acostumar. 

O uso da expressão a gente substituindo a primeira pessoa do plural nós caracteriza uma linguagem mais familiar, mais informal. Ao mesmo tempo, por desejarem registrar com mais exatidão o que veem, em muitos momentos do relato as meninas empregam uma linguagem mais objetiva, mais precisa, Observe que são usadas expressões da área científica, como "condições climáticas" e "densidade": 

Dependendo da posição do sol, das condições climáticas do dia, do tamanho do iceberg, da largura da parede de gelo, da densidade e de outros elementos, um iceberg pode ser muito diferente do outro. 

1. Copie outro trecho em que a linguagem é empregada de forma mais objetiva, descrevendo com detalhes o que as meninas viram. 

As irmãs Klink relatam uma experiência marcante vivida por elas, Por isso a linguagem do relato revela também suas emoções e seus sentimentos. Dizemos que, em alguns trechos, é usada uma linguagem subjetiva, isto é, percebem-se os gostos, as impressões e os sentimentos pessoais das irmãs no texto. 

Observe os trechos destacados: 
Achamos que ele gosta de sentir frio. Nós gostamos só um pouquinho e logo queremos voltar para o calor da cabine. 

2. Transcreva outro trecho em que se perceba uma linguagem mais subjetiva, isto é, que revele sentimentos ou impressões pessoais. 

Tempo verbal 

O texto que você leu pode ser dividido em duas partes: antes e durante a viagem. Ao relatar a experiência, as meninas estão em outro momento, a aventura já acabou; portanto, tudo o que contam da viagem pertence ao passado delas. Observe o modo como se usam os tempos verbais nesse texto. 

1. Pessoas que nunca tinham visto um barco antes também participaram da sua construção, que aconteceu devagar, longe do mar e com muito esforço. 

a) Responda: qual é o tempo verbal que predomina nesse trecho? 
b) Copie  outro trecho do relato em que esse tempo predomine. 

2. Observe o emprego dos tempos verbais em outro momento do texto. 

Durante a viagem 
Ali sabemos que estamos mais perto do nosso destino do que de casa, e temos a sensação de que a viagem dos nossos sonhos está acontecendo. 

a) Responda: qual é o tempo verbal que predomina nesse trecho? 
b) Copie outro trecho em que esse tempo predomina. 



Gabarito:

1.
a) A viagem à Antártica das irmãs Klink. 
b) O pai, a mãe e as filhas do casal. 

2. Pode significar que elas nunca viajavam e que, dessa vez, o pai havia concordado em levar a família. Professor: comentar que o pai delas, Amyr Klink, é um navegador, tem como profissão viajar sempre, o que certamente leva a família a se despedir dele na praia, sem poder acompanhar todas as viagens. 

3. Possibilidades: Continente sem dono, sem bandeira, sem hino; local em que as temperaturas são registradas abaixo de zero; região em que tudo é branco; só tem gelo. 

4. 
a) Trata-se do sexto parágrafo. Se considerar necessário. orientar os alunos a reler esse trecho. Água fria, mais densa, alimento mais concentrado. aproximação de animais. 
b) Não havia mais albatrozes no céu. O vento era mais gelado, surgiam pinguins, focas e icebergs. 

5. As meninas ficaram impressionadas com os icebergs, ou seja, eles marcaram a experiência da viagem, por isso merecem destaque. Comentar com os alunos que um relato pessoal muitas vezes é marcado pelas emoções, trazendo uma visão subjetiva dos fatos. 

6. Possibilidades: Cabo Horn, estreito de Drake, Convergência Antártica.

Linguagem do texto

1. Possibilidades: "Conforme nos aproximamos da Antártica, a água vai esfriando, ficando mais densa e o alimento começa a ficar mais concentrado"; "a parte do iceberg que está acima do mar corresponde a apenas 30% do seu total". 

2. Possibilidades: "é a parte chata porque todo mundo passa mal"; "a gente pode pegar com as mãos e brincar de 'picolés de gelo'!"

Tempo verbal

1.
a) O tempo passado.
b) Sugestão: "Partimos para uma longa viagem e deixamos nossos avós com saudades". "Quando deixamos a América do Sul rumo à Antártica, passamos pelo extremo sul do continente americano, o famoso cabo Horn".

2. 
a) O tempo presente.
b) Sugestão: "Conforme nos aproximamos da Antártica, a água vai esfriando, ficando mais densa e o alimento começa a ficar mais concentrado, atraindo um número maior de animais". 




Referência: Projeto Teláris (Editora Ática)
Imagem: Google
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...