Exercício sobre oração subordinada substantiva Texto: Eu sei, mas não devia de Marina Colasanti

Leia um trecho de uma crônica de Marina  Colasanti. 


Eu sei, mas não devia 

Eu sei que a gente se acostuma. 
Mas não devia. 
A gente se acostuma a morar em apartamentos de fundos e a não ter outra vista que não as janelas ao redor. E, porque não tem vista, logo se acostuma a não olhar para fora. E, porque não olha para fora, logo se acostuma a não abrir de todo as cortinas. E, porque não abre as cortinas, logo se acostuma a acender mais cedo a luz. E, à medida que se acostuma, esquece o sol, esquece o ar, esquece a amplidão. 
A gente se acostuma a acordar de manhã sobressaltado porque está na hora. A tomar o café correndo porque está atrasado. A ler o jornal no ônibus porque não pode perder o tempo da viagem. A comer sanduíche porque não dá para almoçar. A sair do trabalho porque já é noite. A cochilar no ônibus porque está cansado. A deitar cedo e dormir pesado sem ter vivido o dia. 
A gente se acostuma a abrir o jornal e a ler sobre a guerra. E, aceitando a guerra, aceita os mortos e que haja números para os mortos. E, aceitando os números, aceita não acreditar nas negociações de paz. E, não acreditando nas negociações de paz, aceita ler todo dia da guerra, dos números, da longa duração.(...) 

(COLASANTI, Marina. Eu sei, mas não devia. Rio de Janeiro: Roeco, 1996. p. 9.)

a) Releia o título da crônica de Marina Colasanti: Eu sei, mas não devia. O que você observou do ponto de vista sintático em relação à forma verbal? 

b) Em sua opinião, com qual objetivo essa estrutura sintática foi empregada? 

c) Qual é o trecho da crônica que explicita o complemento da forma verbal sei? 

d) Classifique a oração que completa o sentido da forma verbal sei. 

e) Qual é a função semântica, ou seja, de sentido, da oração coordenada sindética adversativa Mas não devia no contexto da crônica? 

f) Como você interpreta o uso do pronome pessoal do caso reto eu no título e da expressão a gente no 
desenvolvimento da crônica? 

Gabarito:

a) A autora omitiu o complemento da forma verbal sei. 
b) Para provocar curiosidade e atrair a atenção do leitor. 
c) Eu sei que a gente se acostuma. 
d) Oração subordinada substantiva objetiva direta. 
e) Contrapor-se à acomodação explicitada na oração A gente se acostuma. 
f) No título, o narrador se refere a si mesmo, e, no desenvolvimento da crônica, com o uso de a gente ele inclui outras pessoas que, como ele, agem de forma considerada conformista. 



Referência: Português - Linguagens em Conexão (Editora Leya)
Imagem: Google
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...