Interpretação de crônica reflexiva sobre preconceito


O carioca e a roupa 

[...] Deu-se comigo outro dia uma experiência engraçada: fui ao centro da cidade de blusa, coisa que me aconteceu várias vezes, mas só então acrescida de um pormenor que introduziu um caráter inédito à situação: levava debaixo do braço uma pasta de papéis, feita de nylon. 
Sim, pela primeira vez fui à cidade de blusa e pasta. Qualquer um desses fatores quase nada significa isoladamente; reunidos, alteraram radicalmente o tratamento que me deram todas as pessoas desconhecidas. 
Quando tomei um táxi, vi que o motorista torceu a cara, mas não percebi o que se passava, pois experimentei semelhante má vontade em outras circunstâncias. Reparei também certa estranheza do motorista quando lhe dei de gorjeta o troco, mas permaneci opaco ao fenômeno social que se realizava. Em um restaurante comum, sentei-me para almoçar. O garçom, que até então eu não vira mais gordo, tratou-me com uma intimidade surpreendente e, em vez de elogiar os pratos pelos quais eu indagava, entrou a diminuí-los: "aqui a gororoba é uma coisa só; serve para encher o bandulho". 
Não sou de raciocínio rápido mas, em súbita iluminação, percebi, com todo o prazer da novidade, que eu estava vestido de mensageiro: pasta e blusa. Ao longo da tarde, fui compreendendo que, até hoje, não tinha a menor ideia do que é ser um mensageiro. Pois eu lhes conto. Um mensageiro é, antes de tudo, um triste. Tratado com familiaridade agressiva pelos epítetos de "amigo", "chapa" e "garotão", o que há de afetivo nestes nomes é apenas um disfarce, pois atrás deles o tom de voz é de comando. "Quer deixar o papai trabalhar, garotão", disse-me o faxineiro de um banco, cutucando-me os pés com a ponta da vassoura. 
Entendi muitas outras coisas humildes: o mensageiro não tem direito a réplica; é barrado em elevadores de lotação ainda não atingida; posto a esperar sem oferecimento de cadeira; atendido com um máximo de lentidão; olhado de cima para baixo; batem-lhe com vigor no ombro para pedir passagem; ninguém lhe diz "obrigado" ou "por favor"; prestam-lhe informações em relutância; as mulheres bonitas sentem-se ofendidas com o olhar de homenagem do mensageiro; os vendedores lhe dizem "não tem" com um deleite sádico. 
Foi uma incursão involuntária à natureza de uma sociedade dividida em castas. Preso à minha classe e a algumas roupas, dizia o poeta, vou de branco pela rua cinzenta. No fim da tarde, eu já procedia como um mensageiro, só me aproximando dos outros com precauções e humildade, recolhendo de meu rosto qualquer veleidade de um sorriso inútil, jamais correspondido. Dentro de mim uma vontade de sofrer. Por todos os mensageiros do mundo, meus irmãos. Por todos os meus irmãos para os quais a humilhação de cada dia é certa como a própria morte. Porque o pior de tudo é que as pessoas não sorriam. O pior é que ninguém sorri para os mensageiros. 

CAMPOS, Paulo Mendes. Crônicas. São Paulo: Ática.

1. Esse texto foi escrito há algum tempo. Estar "vestido de mensageiro" corresponde a que profissão hoje em dia? 

2. Segundo o texto, o motorista do táxi "torceu a cara" ao narrador da história. Em sua opinião, que razões ele teria para fazê-lo?

3. O garçom não destratou o "mensageiro". Entretanto, o narrador sentiu que o tratamento a ele oferecido era inadequado. O que teria sido desagradável no episódio com o garçom? 

4. Você acha que o "mensageiro" sofreu discriminação? Justifique sua resposta. 

5. "Entendi muitas outras coisas humildes", afirma o narrador. De acordo com o texto, quais são elas? 

6. Você acha que, nos dias de hoje, os mensageiros sofrem essas mesmas discriminações? Justifique sua resposta. 

7. Ao escrever a frase" Pois eu lhes conto", o autor se refere a quem? Com que intenção ele fez esse tipo de referência? 

Gabarito

1. Essa profissão corresponde à profissão de office boy, boy (há também a forma aportuguesada "bói"] ou continuo. Hoje, normalmente, quem, realiza as funções do mensageiro e o motoboy. 

2.  Ele, talvez,estivesse imaginando que o "mensageiro" não teria dinheiro para pagar a corrida; ou que ele não iria ganhar gorjeta, pois mensageiros não devem ter dinheiro de sobra. 

3. O narrador não gostou da inesperada intimidade do garçom, bem como das palavras desagradáveis que ele utilizou para se referir à comida, como "gororoba" e "bandulho". 

4. A discriminação fica explícita no tratamento que o narrador recebe do motorista, do garçom e do faxineiro. No quarto parágrafo, o narrador enumera outras várias situações em que ele viveu o preconceito sofrido pelos mensageiros. 

5. Foram as situações descritas pelo narrador no quarto parágrafo, como não ter direito a réplica; ser barrado em elevadores; esperar sem que uma cadeira seja oferecida; ser atendido com lentidão; ser olhado de cima para baixo etc. 

6. Resposta pessoal. 

7. Refere-se ao leitor. A intenção é aproximar-se mais do leitor 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...