Interpretação de texto O pequeno príncipe (7ºano)



O pequeno príncipe 

[...] 
- Bom dia - disse a raposa. 
- Bom dia - respondeu polidamente o principezinho, que se voltou, mas não viu nada. 
- Eu estou aqui - disse a voz -, debaixo da macieira... 
- Quem és tu? - perguntou o principezinho. - Tu és bem bonita... 
- Sou uma raposa - disse a raposa. 
- Vem brincar comigo - propôs o principezinho. - Estou tão triste... 
- Eu não posso brincar contigo - disse a raposa. - Não me cativaram ainda. 
- Ah! desculpa - disse o principezinho. 
Após uma reflexão, acrescentou: 
- Que quer dizer "cativar"?
- Tu não és daqui - disse a raposa. - Que procuras? 
- Procuro os homens - disse o principezinho. - Que quer dizer "cativar"? 
- Os homens - disse a raposa - têm fuzis e caçam. É bem incômodo! Criam galinhas também. É a única coisa interessante que eles fazem. Tu procuras galinhas? 
- Não - disse o principezinho. - Eu procuro amigos. Que quer dizer "cativar"? 
- É uma coisa muito esquecida - disse a raposa. - Significa "criar laços"... 
- Criar laços? 
- Exatamente - disse a raposa. - Tu não és ainda para mim senão um garoto inteiramente igual a cem mil outros garotos. E eu não tenho necessidade de ti. E tu não tens também necessidade de mim. 
Não passo, a teus olhos, de uma raposa igual a cem mil outras raposas. Mas, se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo.
- Começo a compreender - disse o principezinho. - Existe uma flor... eu creio que ela me cativou
- É possível - disse a raposa. - Vê-se tanta coisa na Terra... 
- Oh! não foi na Terra - disse o principezinho. 
A raposa pareceu intrigada: 
- Num outro planeta? 
- Sim. 
- Há caçadores nesse planeta? 
-Não. 
- Que bom! E galinhas? 
- Também não. 
- Nada é perfeito - suspirou a raposa. 
Mas a raposa voltou à sua ideia. 
- Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas se me cativares, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo... 
A raposa calou-se e considerou por muito tempo o príncipe: 
- Por favor... cativa-me! - disse ela. 
- Bem quisera - disse o principezinho -, mas eu não tenho muito tempo. Tenho amigos a descobrir e muitas coisas a conhecer. 
- A gente só conhece bem as coisas que cativou - disse a raposa. - Os homens não têm mais tempo de conhecer coisa alguma. Compram tudo prontinho nas lojas. Mas como não existem lojas de amigos, os homens não têm mais amigos. Se tu queres um amigo, cativa-me! 
- Que é preciso fazer? - perguntou o principezinho. 
- É preciso ser paciente - respondeu a raposa. - Tu te sentarás primeiro um pouco longe de mim, assim, na relva. Eu te olharei com o canto do olho e tu não dirás nada. A linguagem é uma fonte de mal-entendidos. Mas, a cada dia, te sentarás mais perto... 
No dia seguinte o principezinho voltou. 
- Teria sido melhor voltares à mesma hora - disse a raposa. 
- Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz. 
Quanto mais a hora for chegando, mais eu me sentirei feliz. 
Às quatro horas, então, estarei inquieta e agitada: descobrirei o preço da felicidade! Mas, se tu vens a qualquer momento, nunca saberei a hora de preparar o coração... É preciso ritos. 
- Que é um rito? - perguntou o principezinho. 
- É uma coisa muito esquecida também - disse a raposa. - É o que faz com que um dia seja diferente dos outros dias; uma hora, das outras horas. Os meus caçadores, por exemplo, possuem um rito. Dançam na quinta-feira com as moças da aldeia. A quinta-feira então é o dia maravilhoso! Vou passear até a vinha. Se os caçadores dançassem qualquer dia, os dias seriam todos iguais, e eu não teria férias! 
Assim o principezinho cativou a raposa. [...]

SAINT-EXUPÉRY, Antonie de. O pequeno príncipe. Tradução de Dom Marcos Barbosa. 41. ed. Rio de Janeiro: Agir, 1994

1. Quais são as personagens da história? 

2. O narrador da história é também uma personagem? Como você chegou a essa conclusão? 

3. Na história do pequeno príncipe, a raposa é um animal personificado: sente, pensa e fala como ser humano. Você já havia lido algum texto cujas personagens também eram personificadas? Conte para a sua turma. 

4. Como a raposa definia a amizade? 

5. Releia o trecho em que aparecem as palavras "cativar" e "rito". 

a) Escreva no caderno o significado que essas palavras têm no texto. 
b) Procure as palavras no dicionário e confira a sua resposta. 

6. Segundo a raposa, o que é preciso para cativar um amigo?

7. A raposa valoriza o silêncio nos primeiros encontros entre os amigos. E justifica seu ponto de vista com a afirmação: "A linguagem é fonte de mal-entendidos". O que você entendeu dessa afirmação da raposa?

8. Em outro momento, a mesma personagem afirma: "descobrirei o preço da felicidade". Sabemos que a palavra "preço" em seu sentido próprio significa "valor, custo de algo que se vende". No contexto em que ocorre a fala da raposa, qual é o significado da palavra "preço"? 

9. Como o príncipe reagiu diante das explicações e dos ensinamentos da raposa?

10. Veja como a raposa conclui a sua explicação sobre o que é cativar: 

Mas a raposa voltou à sua ideia. 
- Minha vida é monótona. Eu caço as galinhas e os homens me caçam. Todas as galinhas se parecem e todos os homens se parecem também. E por isso eu me aborreço um pouco. Mas, se me cativares, minha vida será como que cheia de sol. Conhecerei um barulho de passos que será diferente dos outros. Os outros passos me fazem entrar debaixo da terra. O teu me chamará para fora da toca, como se fosse música. E depois, olha! Vês, lá longe, os campos de trigo? Eu não como pão. O trigo para mim é inútil. Os campos de trigo não me lembram coisa alguma. E isso é triste! Mas tu tens cabelos cor de ouro. Então será maravilhoso quando me tiveres cativado. O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti. E eu amarei o barulho do vento no trigo... 

a) A raposa explica ao principezinho como a amizade entre eles transformará o ponto de vista dela em relação a tudo o que está à sua volta. Em seu caderno, construa uma tabela (a configuração do blog não permitiu uma tabela), observando as possíveis mudanças, no mundo da raposa, ao ser cativada pelo pequeno príncipe. Exemplo:

O mundo da raposa antes de ser cativada
* Vida monótona
* Ao ouvir passo, entra debaixo da terra
* Considera o trigo inútil e triste

O mundo da raposa depois de ser cativada pelo príncipe
* ________________________________________
* ________________________________________
* ________________________________________

b) O que a raposa quis dizer com a expressão "minha vida será como que cheia de sol"? 
c) Ao falar com o príncipe, a raposa usa palavras e expressões como: "sol", "trigo", "cor de ouro" e "dourado". O que elas têm em comum? 
d) Compare a característica do trigo com as do principezinho. Que relação há entre elas? 
e) O que faria o trigo deixar de ser inútil para a raposa? 
f) O uso dessa comparação no texto produz efeito poético. Por quê? 

11. A amizade, segundo a raposa, aguça os órgãos dos sentidos (visão, olfato, tato, audição e paladar) dos que estão cativos. 

a) Quais desses órgãos serão estimulados se ela e o príncipe se tornarem amigos?  
b) Transcreva os trechos que confirmem sua resposta anterior. 

12. O que você entendeu a respeito da palavra "rito"? Por que a raposa considerava importante ter rito? 

13. Que título você daria a esse trecho do livro de Saint-Exupéry? 
14. A raposa diz que "cativar é uma coisa muito esquecida". Considere suas relações, sua experiência pessoal e responda: Você concorda com essa afirmação? Por quê? 

Gabarito:

1. As personagens da narrativa são o principezinho e a raposa. 

2. O narrador não é personagem. Ele não participa da história, que está narrada em terceira pessoa.

3. As fábulas geralmente têm, como personagens, animais que pensam e agem como os seres humanos. Professor, lembre aos alunos que esse tipo de texto procura transmitir algum ensinamento moral. 

4. Como um entendimento mútuo, amigo é aquele que desperta no outro a necessidade de sua presença. Os amigos se cativam uns aos outros.

5.
a) Cativar - ganhar a simpatia, a estima; seduzir, atrair. Rito - regras que se devem observar numa cerimônia religiosa. Qualquer cerimônia ou prática que segue normas preestabelecidas. No texto, os ritos se referem aos comportamentos, às ações que se repetem. 

6. Para cativar um amigo, é preciso ser paciente e estar com o amigo com certa frequência, passar a fazer parte de sua vida, aos poucos, inicialmente sem nada dizer.

7. Muitas vezes, os interlocutores não se compreendem bem, gerando situações de conflito e desentendimento entre eles.

8. Preço, nesse contexto, significa: sacrifício em troca de recompensa.

9. O principezinho reagiu com curiosidade, mostrando interesse em compreender o que ela dizia, fazendo perguntas para entender melhor as ideias da raposa. 

10.
a) A vida torna-se cheia de sol. / Os sons dos passos se tornarão música para ela. / O trigo trará lembranças alegres. 

b) Quis dizer que um amigo dará à vida dela mais brilho, alegria, calor. 

c) O que elas têm em comum é a cor; todas estão relacionadas à cor amarela. 

d) Os cabelos da personagem são da mesma cor do trigo. A raposa se lembraria do príncipe ao olhar para os campos de trigo. 

e) O príncipe resolver criar laços afetivos com ela. A amizade lhe daria um novo significado, por causa da semelhança entre os cabelos cor de ouro do príncipe e o dourado dos campos de trigo. 

f) Porque, para comparar, além da maneira de combinar as palavras, associando- as pela cor, o leitor pode imaginar o que é descrito pela raposa Além disso, no texto usa-se o sentido figurado para se referir aos sentimentos que a raposa passaria a ter pelo príncipe caso ele a cativasse. 

11.
a) A audição e a visão.

b) "E eu amarei o barulho do vento no trigo" (audição) e "O trigo, que é dourado, fará lembrar-me de ti" (visão).

12. Resposta possível: Porque o rito dava um significado mais importante ao seu dia. 

13. Resposta pessoal. 

14. Resposta pessoal.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...