Atividade de interpretação com poema de cordel (9ºano) Patativa do Assaré


Nordestino, sim, Nordestinado, não 

Nunca diga nordestino
Que Deus lhe deu um destino
Causador do padecer,
Nunca diga que é o pecado
Que lhe deixa fracassado
Sem condição de viver.

Não guarde no pensamento
Que estamos no sofrimento
É pagando o que devemos.
A Providência Divina
Não nos deu a triste sina
De sofrer o que sofremos.

Deus o autor da criação
Nos dotou com a razão
Bem livres de preconceitos,
Mas os ingratos da terra
Com opressão e com guerra
Negam os nossos direitos.

Não é Deus que nos castiga,
Nem é a seca que obriga
Sofrermos dura sentença,
Não somos nordestinados,
Nós somos injustiçados
Tratados com indiferença.

Sofremos em nossa vida
Uma batalha renhida
Do irmão contra o irmão,
Nós somos injustiçados,
Nordestinos explorados,
Mas nordestinados, não.

Há muita gente que chora
Vagando de estrada afora
Sem terra, sem lar, sem pão,
Crianças esfarrapadas,
Famintas escaveiradas
Morrendo de inanição.

Sofre o neto, o filho e o pai,
Para onde o pobre vai
Sempre encontra o mesmo mal,
Esta miséria campeia
Desde a cidade à aldeia
Do sertão à capital.

Aqueles pobres mendigos
Vão à procura de abrigos
Cheios de necessidades,
Nesta miséria tamanha
Se acabam na terra estranha
Sofrendo fome e saudade.

Mas não é o Pai Celeste
Que faz sair do Nordeste
Legiões de retirantes,
Os grandes martírios seus
Não é permissão de Deus,
É culpa dos governantes.

Já sabemos muito bem
De onde nasce e de onde vem
A raiz do grande mal,
Vem da situação crítica
Desigualdade política
Econômica e social.

Somente a fraternidade
Nos traz a felicidade,
Precisamos dar as mãos,
Para que vaidade e orgulho
Guerra, questão e barulho
Dos irmãos contra os irmãos.
Jesus Cristo, o Salvador,
Pregou a paz e o amor
Na santa doutrina sua,

O direto banqueiro
É o direito do tropeiro
Que apanha os trapos na rua.

Uma vez que o conformismo
Faz crescer o egoísmo
E a injustiça aumentar,
Em favor do bem comum
É dever de cada um
Pelos direitos lutar.

Por isto, vamos lutar,
Nós vamos reivindicar
O direito e a liberdade
Procurando em cada irmão
Justiça, paz e união,
Amor e fraternidade.

Somente o amor é capaz
E dentro de um país faz
Um só povo bem unido,
Um povo que gozará
Porque assim, já não há
Opressor nem oprimido.


ASSARÉ, Patativa do. Ispinho e fulô. São Paulo: Hedra, 2005. p. 38-41. 

1. Do que trata o texto "Nordestino, sim, Nordestinado, não"? 

2. Por que o poeta diz "Nordestino, sim, Nordestinado, não"? Qual o sentido de cada uma dessas palavras para ele? 

3. O que é possível saber sobre a vida do homem do Nordeste por meio desse poema de cordel? 

4. Ao ler o poema, você deve ter percebido o ritmo e a melodia construídos com a medida fixa dos versos e a presença de rimas. Em que elas ajudam o cordelista e o ouvinte do cordel? 


Gabarito:

1. O texto aborda os preconceitos e as dificuldades vividas pelo povo nordestino. 

2. Professor: durante a discussão, espera-se que os alunos considerem que, ao usar "nordestino", o poeta se refere àquele que nasce no Nordeste; e, ao contrapor a "nordestino" o termo "nordestinado", dá à palavra o sentido de pessoa que, por haver nascido no Nordeste, está destinado a uma vida de sofrimento e exploração. Ajude-os a perceber que a palavra seria composta de "nordestino" + "destinado". 

3. Espera-se que os alunos percebam que é possível inferir que é uma vida de luta e de sofrimento; há no poema um tom de denúncia contra a falta de compromisso político, que nega ao sertanejo nordestino o direito a uma vida mais digna. 

4. Espera-se que os alunos percebam que a medida fixa e as rimas produzem um encadeamento que auxilia na organização e compreensão do raciocínio do eu lírico. Ela aproxima o poema da canção, tornando-o mais fácil de memorizar. 





Referência: Singular e Plural (Editora Moderna)
Imagem: Google
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...