Estilos de época da literatura portuguesa e brasileira (períodos literários)


Como se sabe, nosso país foi colônia de Portugal, de quem herdamos a língua e, com ela, toda uma maneira de expressar o mundo. Costuma-se comparar as manifestações literárias brasileiras com as portuguesas, em cada período literário, não só para destacar semelhanças como também para identificar o momento em que nossa literatura adquiriu autonomia, desprendendo-se dos modelos portugueses. 

Chamamos de período literário um segmento determinado de tempo em que predominou um estilo na literatura. Cada um desses períodos recebeu um nome cujo significado. Por exemplo: Barroco, Arcadismo, Romantismo, etc. são estilos de época da história de várias literaturas, incluindo a brasileira. 

Descrever um período literário ou estilo de época é identificar o início, o ponto culminante e o declínio de um estilo, isto é, o momento em que passam a surgir novas tendências. 

Por exemplo: o período literário ou estilo de época chamado de Romantismo predominou no Brasil de 1836 a 1881. É imprescindível saber que as datas que delimitam um estilo devem ser consideradas apenas pontos de referência na história literária, ou seja, elas não demarcam rigorosamente o estilo. 

Interpretação 9ºano - Holocausto durante a Segunda Guerra Mundial (A mala de Hana - Uma história real)

Imagem: Google

Este texto pertence ao livro A mala de Hana, de Karen Levine. A obra narra a história dos irmãos Hana e George Brady, crianças judias que viviam na Tchecoslováquia (atual República Checa), durante a Segunda Guerra Mundial. Quando as tropas alemãs invadiram o país, a vida da família Brady mudou para sempre.

A mala de Hana
Toda semana havia uma nova restrição. Judeus não podiam frequentar o parque de diversões. Nem os campos de esporte. Nem os parques públicos. Logo, Hana não podia mais ir ao ginásio. Até mesmo o lago em que esquiavam estava proibido. Suas amigas - todas gentis - no começo também ficaram tão perplexas quanto Hana com as regras. Ainda se sentavam lado a lado na escola e aprontavam travessuras juntas dentro da classe e na hora do recreio. 
— Ficaremos juntas para sempre, não importa o que aconteça — prometeu Maria, a melhor amiga de Hana. — Não vamos deixar que ninguém nos diga com quem vamos brincar! 
Mas, aos poucos, conforme os meses se passavam, todas as colegas de Hana, inclusive Maria, pararam de visitá -la depois da escola e nos fins de semana. [...] 
Com cada amigo perdido e a cada nova restrição, Hana e George sentiam que seu mundo ficava um pouco menor. Eles estavam bravos. Eles estavam tristes. E estavam frustrados. 
— O que podemos fazer? — perguntavam aos pais. — Para onde podemos ir? 
Mamãe e Papai fizeram o seu melhor para distrair as crianças, para ajudá-las a descobrir novas brincadeiras.

Atividade sobre pronome e ambiguidade - Interpretação de piada (ensino médio)

Imagem: Google

Leia esta piada. 

O diretor-geral está preocupado com um executivo que, depois de um período trabalhando sem descanso, passa a se ausentar do escritório por algumas horas todos os dias. Chama um detetive. 
— Siga o Lopes durante uma semana — disse. 
Após cumprir o que lhe fora pedido, o detetive informa: 
— O Lopes sai normalmente ao meio-dia, pega seu carro, vai a sua casa almoçar, descansa em seu sofá, vê filmes em sua TV de plasma, nada em sua piscina e volta ao trabalho. 
— Ah, bom. Não há nada de mau nisso. 
O detetive observa o diretor com olhar fixo e comenta: 
— Desculpe. Posso tratá-lo por tu? 
— Sim, claro - responde o diretor. 
— Bom. O Lopes sai ao meio-dia, pega teu carro, vai a tua casa almoçar, descansa em teu sofá, vê filmes em tua TV de plasma, nada em tua piscina e volta ao trabalho. 

Interpretação de charge - O infinitivo pessoal


O infinitivo pessoal é uma forma verbal que se aplica a um determinado sujeito, podendo ou não concordar com ele. 

1. O que é possível compreender da imagem?
2. Quais são os sujeitos de "pedir" e "rezarem"?
3. A concordância dos verbos no infinitivo pessoal com seus sujeitos cria que sentido para o conjunto da charge?

Gabarito

1. É uma família modesta composta de pai, mãe e quatro filhos em idade escolar; eles têm devoção por um santo, cuja imagem conservam em um quarto da casa e para qual acendem velas.

2. O sujeito de "pedir" é "você" (a mulher referindo-se ao marido Alberto), o de "rezarem" é "crianças". 

Concordância do verbo SER indicando HORAS

Imagem: Google

Como você emprega o verbo ser ao responder à pergunta "Que horas são?"? 

"É uma hora" ou "São uma hora"? 
"É duas horas" ou "São duas horas"? 
"É meio-dia" ou "São meio-dia"? 

Veja alguns exemplos da língua padrão para o emprego do verbo ser quando ele é impessoal, isto é, não tem sujeito

⦁ É meio-dia.
⦁ É uma hora.
⦁ São duas horas e meia.
⦁ São oito horas.
⦁ É meia-noite.
⦁ É um de maio.
⦁ São dois de maio.
⦁ Até minha casa é um quilômetro.
⦁ Até minha casa são três quilômetros.

Exercício sobre adjetivos e locuções adjetivas - Resenha de filme 8ºano

Imagem: Google

Leia a resenha do filme Valente.

Texto 1
É por causa de uma briga com a mãe que a princesa Merida se envolve numa aventura com perigos e vários momentos engraçados. Merida não se parece em nada com as princesas tradicionais - esperta e rebelde, ela sabe manusear o arco e flecha. É também uma boa filha, que acaba aprendendo lições importantes nesse desenho que tem cenários incríveis, canções legais e um ritmo de aventura.

Marco Aurélio Canônico. Empolga! Folha de S.Paulo, - 31 jul. 2012. Suplemento Folhinha, p. 5. 

Agora leia esse mesmo trecho, escrito de outra forma e responda às questões. 

Texto 2
É por causa de uma briga que a princesa Merida se envolve numa aventura e vários momentos. Merida não se parece em nada com as princesas - ela sabe manusear o arco e flecha. É também uma filha, que acaba aprendendo lições nesse desenho que tem cenários, canções e um ritmo. 

Interpretação artigo de opinião para ensino médio (desperdício de água)

Imagem: Google

Usar água sim; desperdiçar nunca

O verão veio bravo. Ninguém aguenta o calor. É tempo de piscina, praia, refrescos, sorvetes e muito desperdício de água.
Esse mau hábito não é novo. Ao ler uma instrutiva reportagem publicada pelo "Estado" (6/2/2006), fiquei estarrecido ao saber que o consumo por pessoa em São Paulo é de 200 litros por dia, bem superior aos 120 litros recomendados pela ONU.
Em 2005, o consumo de água na região da Grande São Paulo aumentou 4% em relação a 2004. Só em dezembro, foram consumidos 128 milhões de metros cúbicos de água -o maior consumo desde 1997.
É uma soma fantástica e sinalizadora de muito desperdício. Os repórteres responsáveis pela reportagem mencionada "flagraram" muitas pessoas lavando as calçadas com mangueira a jato em lugar de vassoura. Trata-se de um luxo injustificável. No consumo doméstico, cerca de 72% da água são gastos no banheiro e, neste, o chuveiro responde por 47%. Os banhos exageradamente demorados desperdiçam água e energia elétrica.
É verdade que o asseio é uma das virtudes dos brasileiros e devemos conservá-la. Mas não há necessidade de ficar meia hora debaixo do chuveiro para manter a boa higiene. Quando estudei nos Estados Unidos, há mais de 50 anos, a dona da república onde morava, uma senhora franzina e de cara muito fechada, me fez pagar uma sobretaxa de aluguel porque sabia que, como brasileiro, eu estava acostumado a tomar banho todos os dias e a "gastar" muita água. Na época, garoto novo, achei a mulherzinha um monstro de avareza. Hoje, vejo que todas as nações do mundo precisam economizar água.

Interpretação de textos 4ºano (adjetivos)

Imagem: Google

Leia a resenha do livro James e o pêssego gigante.

[...] James vai morar com duas tias velhas e horrorosas em uma casa no alto de um morro. Certo dia, em uma árvore seca do jardim, nasce um enorme pêssego, habitado por estranhos insetos tamanho família. Com esses bizarros amigos, James parte para loucas aventuras em uma viagem transatlântica rumo a Nova York a bordo do pêssego gigante.

Editora 34. Catálogo Geral, São Paulo, 2008. p. 44

Responda

1. Esse é um livro de aventura ou de suspense? 

2. Você se interessou pela leitura dele? Por quê? 

3. Copie do texto as palavras que dão características:
Professor, certifique-se de que os alunos conheçam o significado dos adjetivos.
a) às tias
b) à árvore
c) ao pêssego
d) aos insetos

Gabarito 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...