Quando usar para MIM e para EU? Dicas importantes!


Custou para eu acreditar nela. 

Apesar de o Word corrigir a frase "Custou para mim acreditar nela" para "Custou para eu acreditar nela", o uso de mim está adequado ao padrão culto da língua. O pronome eu exerce a função sintática de sujeito. Para se descobrir qual o sujeito de um verbo, basta ao aluno perguntar a ele: "Que(m) é que ?" Por exemplo: 

Eu fiz o trabalho ontem. 
Pergunta: Quem é que fez o trabalho ontem? 
Resposta: eu = sujeito do verbo fazer. 

Façamos o mesmo exemplo com a frase abaixo: 

Basta para mim ter Mariana ao meu lado. 
Há dois verbos: bastar e ter. Analisemos o verbo bastar: 
Pergunta: Que é que basta? 
Resposta: ter Mariana ao meu lado = sujeito do verbo bastar. 
Observe que o sujeito do verbo bastar é uma oração, pois onde houver verbo haverá uma oração. O sujeito representado por uma oração se chama oração subordinada substantiva subjetiva (OSSS). 

Num período, há a chamada ordem direta, que é a colocação do sujeito no início da oração, com o verbo logo após ele. Se a frase apresentada for escrita em ordem direta, ou seja, se a oração subordinada substantiva subjetiva iniciar o período, haverá a seguinte frase: "Ter Mariana ao meu lado basta para mim". Percebeu como o adequado é usar mim mesmo? 

Para mim basta ter Mariana ao meu lado. 
Ter Mariana ao meu lado basta para mim. 
Para mim, ter Mariana ao meu lado basta. [a vírgula é optativa]
Basta para mim ter Mariana ao meu lado. 

Sempre que houver bastar, custar, faltar ou restar e, no mesmo período, houver outro verbo no infinitivo, este não poderá ser flexionado, ou seja, sempre ficará invariável. Veja alguns exemplos: 

Exercícios sobre ORTOGRAFIA com gabarito (vestibulares)


1. Dos termos sublinhados nas frases abaixo, o único que está inadequado ao contexto ocorre em: 

a) O mundo está na iminência de enfrentar o recrudescimento da fome devido à escassez de alimentos. 
b) Para atender a todos os interessados no concurso, foi preciso dilatar o prazo das inscrições. 
c) Ao fazer cópias de músicas e filmes pela internet, é preciso ter cuidado para não infringir a lei. 
d) O município que se tornou símbolo da emigração brasileira para os EUA tenta se adaptar ao movimento migratório inverso. 
e) A cobrança de juros excessivos, com o objetivo de aferir lucro exagerado, desestimula o crescimento da produção. 

2. A frase em que todos os vocábulos grifados estão corretamente empregados é: 

a) Descobriu-se, instantes, a verdadeira razão porque a criança se recusava à frequentar a escola. 
b) Não se sabe, de fato, porquê o engenheiro preferiu destruir o pátio a adaptá-lo às novas normas. 
c) Disse-nos, já a várias semanas, que explicaria o porque da decisão tomada às pressas naquela reunião. 
d) Chegava tarde, porque precisava percorrer a pé uma distância de dois à três quilômetros. 
e) Não prestou contas à associação de moradores, não compareceu à audiência e até hoje não disse por quê.

3. Reportagem da Folha de S. Paulo informa que o presidente do Brasil assinou decreto estabelecendo prazos para o país colocar em prática o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, que unifica a ortografia nos países de língua portuguesa. Na matéria, há um quadro comparativo que mostra alterações na ortografia estabelecidas em diferentes datas:

Exercícios sobre SUBSTANTIVOS com gabarito (vestibulares)


1. (UFRJ, adaptado) 

A Maria dos Povos, sua futura esposa 
Discreta, e formosíssima Maria, 
Enquanto estamos vendo a qualquer hora, 
Em tuas faces a rosada Aurora, 
Em teus olhos e boca o Sol, e o dia: 

Enquanto com gentil descortesia 
O ar, que fresco Adônis te namora, 
Te espalha a rica trança voadora, 
Quando vem passear-te pela fria: 

Goza, goza da flor da mocidade, 
Que o tempo trata a toda ligeireza, 
E imprime em toda flor sua pisada. 

Oh não aguardes, que a madura idade, 
Te converta essa flor, essa beleza, 
Em terra, em cinza, em pó, em sombra, em nada. 

MATOS, Gregório de. Poemas escolhidos. 2. ed. 
(Seleção de José Miguel Wisnik). São Paulo: Cultrix, [s.d.]. 

O texto se constrói por meio da oposição entre dois campos semânticos, especialmente no contraste entre a primeira e a última estrofes. 
Explicite essa oposição e retire, dessas estrofes, dois vocábulos com valor substantivo - um de cada campo semântico, identificando a que campo cada vocábulo pertence. 

2. (UFRJ, adaptado) 

Almeida e Costa comprão para remeterem para fora da Província, huma escrava que seja perfeita costureira, engomadeira, e que entenda igualmente de cozinha, sendo mossa, de bôa figura, e afiançada conduta para o que não terão duvida pagala mais vantajosamente; quem a tiver e queira dispor, pode dirija-se ao escriptorio dos mesmos na rua da fonte dos Padres, n. 91. 

Gazeta Commercial da Bahia, 19 set. 1832. 

Do texto: 
a) selecione 2 (dois) verbos e 2 (dois) substantivos que apresentem forma ou emprego diferentes da atual. 

b) reescreva-os na forma vigente. 

3. (Cefet-CE, adaptado) 

Pensar é viver 
(...) Discernir e escolher fica mais difícil, porque o excesso de informações nos atordoa, a troca de mitos nos esvazia, a variedade de solicitações nos exaure. Para ter algum controle de nossa vida é necessário descobrir quem somos ou queremos ser - à revelia dos modelos generalizantes. 
Dura empreitada, num momento em que tudo parece colaborar para que se aceitem modelos prontos para servir. Pensamento independente passou a ser excentricidade, quando não agressão. Família, escola e sociedade deviam desenvolver o distanciamento crítico e a capacidade de avaliar - e questionar - para poder escolher. (...)

LUFT, Lya. Pensar é transgredir
Rio de Janeiro: Record, 2004. p. 177-78. 

No primeiro parágrafo selecionado do texto, Lya Luft defende a ideia de que devemos buscar nossa identidade. Que expressão, formada por substantivo mais adjetivo, utilizada no parágrafo seguinte retoma essa ideia ao mesmo tempo em que transmite uma opinião da cronista? 

4. (Cefet-CE)

Gabarito dos exercícios sobre crase - concursos e vestibulares


1B
A crase não ocorre antes de substantivos masculinos (neste caso, "pé"). A única exceção aparece quando a locução "à moda de" está subentendida. Por exemplo: "Calçou sapatos à Luís XV e saiu". Nesse caso, mesmo "Luís" sendo um nome masculino, ocorre crase porque os termos "moda de" foram suprimidos.

2B
O acento indicador de crase é facultativo antes de nomes próprios e pronomes possessivos femininos (minha, sua, tua), ou seja, o acento tanto pode ser colocado quanto pode ser dispensado. 
É comum as pessoas errarem esta questão, escolhendo a primeira alternativa, porém ela está correta. Ocorre crase em "vestido à Elvis Presley" porque a palavra "moda" está implícita no termo. É como se disséssemos: "à moda de Elvis Presley".

3C
O verbo "comparecer" exige a preposição "a" (quem comparece comparece a algum lugar). Como o primeiro complemento é uma palavra masculina (treinos), há o artigo masculino "o", o que impede a fusão da preposição com o artigo, ficando "aos". No segundo trecho, o verbo "ir" também exige a preposição "a" (a pessoa foi a algum lugar). Como a palavra "festas" tem sentido genérico na frase, não se usa o artigo "as". Dessa forma, resta apenas a preposição "a", ficando "foi a festas". Portanto a frase completa é: "O atleta não compareceu aos treinos da equipe de futebol, mas foi a festas com amigos".

Se fossem festas específicas, o artigo deveria ser empregado e ocorreria crase. Por exemplo: "O atleta não compareceu aos treinos da equipe de futebol, mas foi às festas das equipes adversárias com amigos".

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...